obrigações fiscais obrigações fiscais

Quais são as obrigações fiscais de uma transportadora? Confira aqui!

6 minutos para ler

Toda empresa tem as suas obrigações fiscais. Manter-se em dia com esse conjunto de regras é um fator básico para qualquer negócio. Afinal de contas, é isso o que garante à companhia a habilidade de evitar prejuízos e estar regularizada com a Receita Federal.

Na área de logística, há uma série de obrigações que são específicas do setor. Algumas servem para as fiscalizações durante as rotas de entrega. Outras auxiliam o negócio a manter, junto ao governo, um controle mais rígido sobre as suas operações e sobre o que é transportado pelos seus veículos.

Para te ajudar a entender quais são as obrigações fiscais da sua companhia e como elas devem ser pagas, preparamos este conteúdo. Continue a leitura e veja em detalhes quais são os documentos mais importantes para o seu negócio!

Por que seguir as obrigações fiscais é importante?

Para regulamentar as operações econômicas do Brasil, o governo federal, por meio da Receita Federal, criou uma série de obrigações. Elas auxiliam gestores públicos a acompanharem as rotinas de empreendimentos e evitarem fraudes. Além disso, facilitam a coleta de tributos e a manutenção de rotinas de transporte de cargas mais confiáveis.

Nesse contexto, manter-se em dia com todas as obrigações fiscais deve ser visto como algo crítico para o sucesso da empresa. A companhia que evita atrasos na emissão de documentos ou faz tais atividades sem erros se mantém mais competitiva e lucrativa. Afinal de contas, as taxas de retrabalho e o número de multas serão muito menores.

Isso transmite mais confiança para clientes e parceiros comerciais ao lidarem com o negócio. Todos saberão que a companhia mantém um conjunto de práticas voltadas a reduzir os riscos de um erro administrativo ocorrer. Como consequência, há uma maior garantia de que os fluxos de trabalho estarão preparados para entregar os resultados esperados.

Quais são as obrigações fiscais do setor de logística?

Para ter uma rotina fiscal livre de erros, é importante conhecer todos os documentos que fazem parte do dia a dia dos profissionais da área. Confira, a seguir, os mais importantes e como eles devem ser preenchidos!

NF-e

A Nota Fiscal Eletrônica, ou NF-e, é um documento emitido pelo embarcador da mercadoria que será transportada. Ela registra a venda de produtos e serviços. Nela, também são inseridos dados do vendedor e do comprador da mercadoria.

A NF-e é totalmente digital e, assim que emitida, os seus dados são enviados para a Receita Federal por meio eletrônico. Essa característica também torna mais simples o seu compartilhamento e a integração com sistemas responsáveis por emitir outros documentos. Assim, o tempo gasto para verificar e validar dados é muito menor.

Danfe

O Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica (Danfe) é a versão em papel da NF-e utilizada em fiscalizações nas estradas e demais modais de transporte. Ele deve acompanhar a carga na sua rota de entrega, ou seja, da origem até o destinatário. Nele, são inseridos dados como:

  • código de barras;
  • valor total das mercadorias;
  • chave numérica de 44 dígitos;
  • descrição completa dos dados do remetente e do destinatário.

CT-e

O Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) é criado para registrar a execução de serviços de transporte de cargas. Sua emissão, recepção e autorização são feitas por meio eletrônicos. Como consequência, independentemente do modal de transporte utilizado, a empresa poderá executar a sua emissão e o seu compartilhamento rapidamente e com baixo custo.

Quando a empresa tem uma frota própria, é necessário se cadastrar na Secretaria da Fazenda para emitir o CT-e. Sempre que emitido, ele deverá acompanhar a mercadoria em todas as etapas do transporte. Assim que ela for entregue, o destinatário deve assinar e carimbar o documento para validar a conclusão do serviço prestado.

MDF-e

O Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) é um documento que faz o registro simplificado das obrigações fiscais dos fornecedores e dos prestadores de serviço. Ele é, em outras palavras, um manifesto adotado quando a empresa transporta, em um único veículo, mercadorias distintas. Nesses casos, é necessário utilizar o MDF-e para agilizar a verificação de todas as notas fiscais eletrônicas e dos CT-es.

Com o MDF-e, a empresa pode, portanto, agilizar os processos de registro de documentos em lote. Ele também registra o seguro de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga (RCTR-C), o que dá maior segurança jurídica em caso de acidentes. Sua emissão é obrigatória para transportadoras e fornecedores.

CFOP

Código Fiscal de Operações e de Prestações (CFOP) é um código utilizado nacionalmente em operações de fiscalização tributária e que é determinado pela Receita Federal. Ele indica se a nota que foi emitida faz ou não o recolhimento de tributos, bem como eventuais movimentos de estoque e financeiros.

CIOT

O Código Identificador da Operação de Transporte, ou CIOT, é uma numeração utilizada uma vez para cada contrato de frete. Ele é registrado tanto no CT-e, quando há subcontratação, como no contrato de prestação de serviços. Ele permite ao gestor identificar rapidamente a que operação financeira os documentos se referem.

Como a tecnologia pode te ajudar a lidar com as suas obrigações tributárias?

A transformação digital está criando uma grande revolução no setor de logística. Novas tecnologias e tendências, como a Internet das Coisas, conseguem auxiliar gestores a manter um controle mais preciso dos fluxos de trabalho. Ao mesmo tempo, ampliam a maneira como os times podem acompanhar a evolução das operações e, assim, fazer otimizações a partir de indicadores mais precisos.

Nesse contexto, a gestão das obrigações fiscais é outra área que pode se aproveitar continuamente dos investimentos em tecnologia. Utilizando soluções modernas, como sistemas de gestão integrada, a empresa consegue identificar prazos antecipadamente. Isso facilita o planejamento e evita atrasos.

Além disso, adotar ferramentas de TI garante que a emissão de documentos será mais centralizada e menos sujeita a erros. Desse modo, a empresa poderá se manter em dia com as suas obrigações fiscais sem que isso reduza o foco nas demandas de clientes e parceiros comerciais. Ou seja, a empresa conseguirá atingir os seus resultados em médio e longo prazos e ainda garantir a confiabilidade de seus serviços.

Agora que você já sabe quais são as principais obrigações fiscais do seu setor, compartilhe este artigo com os seus colaboradores nas suas redes sociais!

Posts relacionados

Deixe um comentário