Last Mile: o que é, como funciona e como otimizá-lo?

6 minutos para ler

A pressão do mercado por preços mais baixos e um elevado nível de eficiência motivam o setor varejista a encontrar soluções que representem uma vantagem competitiva. É nesse contexto que surge o last mile, ou última milha, como também é conhecido.

Essa é uma inovação que foi elaborada, principalmente, em decorrência do crescimento do comércio eletrônico e da necessidade de ampliar o sistema de distribuição desses pedidos.

A seguir, discutiremos como é essencial conhecer o funcionamento desse processo na prática e como as empresas podem adotá-lo de forma bem-sucedida. Aproveite e boa leitura!

Qual é o conceito de last mile?

Sob o ponto de vista logístico, o termo last mile descreve a última etapa de envio de um produto. Essa é a etapa final na qual a entrega será realizada no destino final. Esse fluxo começa com o fabricante ou comerciante que recebeu o pedido de um dos seus clientes.

O produto pode ser direcionado, juntamente com outras cargas, para o centro de distribuição mais próximo do destino. Nessa etapa, será feita a separação dos pedidos de acordo com o local de entrega.

Para concluir esse processo, existe a necessidade de contratar uma transportadora que atua na região do destinatário para finalizar a remessa do pedido. Nesse cenário, o destinatário pode ser o cliente final ou um estabelecimento que comercializará o produto.

Qual é o impacto da sua utilização?

O last mile é um processo relativamente recente e, por isso, não há uma grande disponibilidade de estudos e análises sobre a sua execução. Porém, temos informações coletadas com base no dia a dia das transportadoras e dos elementos observados pelos profissionais logísticos.

Depende de informações precisas

Ao realizar compras online, você já deve ter reparado como a precisão das informações prestadas afeta a sua experiência de compra. Afinal, um dígito preenchido errado no campo do endereço pode fazer com que a sua encomenda vá parar em outro lugar.

Da mesma forma, há destinatários que têm restrições, como uma janela de entrega específica, o que não permite flexibilidade da entrega. Por esse motivo, as transportadoras estão atentas a casos que podem gerar erros e buscam atualizar os dados para evitar problemas.

Afeta a satisfação do cliente

É na entrega última milha que a transportadora demonstra a sua habilidade de lidar com essa etapa do processo de distribuição. Isso ocorre porque afeta diretamente a percepção de qualidade por parte dos clientes.

Por isso, uma das formas de conquistar uma avaliação positiva é por meio da agilidade da entrega e da segurança da carga. Esse aspecto é fundamental, pois o que está em jogo é a imagem do fabricante ou comerciante.

Pensando nisso, a transportadora deve se comprometer a garantir a integridade da carga e evitar potenciais extrativos de produtos. Esses incidentes podem gerar reclamações que afetam a forma como a empresa é vista no mercado.

Aumento das entregas fracionadas

Do ponto de vista financeiro, a última milha de entrega é um dos custos mais significativos da operação e, como resultado, a sua otimização é essencial para evitar prejuízos.

Esse é um desafio que precisa ser combatido em diversas frentes, tais como:

  • a melhoria do serviço de logística reversa;
  • a ampliação de canais de troca nas lojas físicas;
  • o gerenciamento da cadeia de produtos devolvidos;
  • a prevenção de erros no processamento dos pedidos que geram devoluções.

Todas essas iniciativas ajudam a aprimorar os resultados e favorecem a relação com os clientes.

Como colocar o last mile em prática?

A mudança significativa dos hábitos de compra do consumidor é responsável por gerar uma alteração na dinâmica das transações de compra e venda. Aliada ao crescimento das vendas, por meio do e-commerce é perceptível como os operadores logísticos devem se preparar para acompanhar essa onda de mudanças.

Além disso, o impacto financeiro dessa entrega requer a adoção de ações voltadas para a redução dos custos operacionais. O objetivo permanece sendo facilitar a chegada dos produtos aos compradores, porém é preciso focar nas soluções voltadas para o aprimoramento do processo de entrega.

Avalie o dimensionamento da frota

O número de veículos disponíveis para a entrega e sua capacidade de carga são elementos que devem ser levados em consideração na análise das entregas. Os caminhões são utilizados com maior frequência durante a primeira perna da viagem, pois pode alocar um número maior de mercadorias e é mais compatível com longas viagens.

Já a frota utilizada pela modalidade last mile é composta por utilitários ou, até mesmo, por veículos de pequeno porte. Portanto, busque equilibrar as características dos veículos para possibilitar a otimização das entregas.

Invista no monitoramento dos veículos

Diversas inovações tecnológicas podem ser empregadas nesse processo com o intuito de aumentar a eficiência e a segurança da distribuição. Os sistemas de monitoramento veicular se enquadram na última categoria e são indispensáveis na criação de uma entrega mais segura.

Essa é uma solução amplamente utilizada por empresas optam por rastrear tanto o veículo como a carga durante o seu envio ao destino. Além disso, essa função permite que os clientes acompanhem o andamento de cada etapa do processamento do pedido até a sua entrega.

Execute o planejamento da rota de entrega

Um dos maiores desafios do last mile, especialmente em ambientes urbanos, é a questão trânsito. A situação das grandes cidades é preocupante e causa obstáculos como:

  • o tráfego pesado e engarrafamentos;
  • a dificuldade de estacionamento, mesmo por curtos períodos;
  • o prolongado tempo de descarga no destino.

Todos esses aspectos demonstram a necessidade de planejar, com detalhes, as rotas de entrega para otimizar a produtividade. Hoje, existem diversas alternativas, como sistemas de roteirização, que possibilitam traçar o trajeto mais ágil e econômico. Com isso, é possível realizar mais entregas em menos tempo com base organização dos pedidos.

Por fim, não podemos deixar de falar como a entrega last mile faz parte de uma estratégia de vendas muito mais ampla, que busca fazer a diferença na experiência dos clientes. Por esse motivo, estamos cientes de como esse tema é relevante e que vai ganhar reconhecimento no futuro pela sua relação com a transformação digital das transportadoras.

Além de ampliar a capacidade de entrega das empresas em regiões distantes e remotas, esse modelo de entrega acompanha o desenvolvimento do setor. Se você quer ajudar a disseminar esse conhecimento, compartilhe este post nas redes sociais para que possamos alcançar um público cada vez maior!

Posts relacionados

Deixe um comentário